Cirurgia Plástica

Lipoaspiração

A leitura destas observações sobre a cirurgia de LIPOASPIRAÇÃO E LIPOESCULTURA servirá para esclarecê-lo(a) sobre os detalhes que certamente estão lhe interessando no momento. Existem informações errôneas quanto a esta cirurgia, informações essas geradas por casos excepcionais de pacientes operadas em condições adversas à normalidade. Deixe que seu cirurgião plástico o(a) informe sobre a conveniência de associá-la a outra (s) cirurgia (s) e pondere bastante sobre as vantagens e desvantagens de tal associação. Normalmente, as seguintes perguntas são feitas pelos(as) pacientes ao seu cirurgião plástico, por ocasião da consulta inicial:

P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A LIPOESCULTURA? 

R: Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de gordura, evidentemente haverá uma redução no peso, que varia de acordo com o volume corporal de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que cada área determinada mantenha com o restante do tronco e os membros. Assim é que , as mulheres que apresentam certo abaulamento no abdome ou em outras partes do tronco, assim como nos quadrís e parte superior das coxas, poderão ter uma pele firme ou eventualmente flácida. A avaliação correta de 3 itens: qualidade da elasticidade da pele, quantidade de gordura e sua localização, nos permitem avaliar o resultado. Há casos, em que o(a) paciente está com o peso acima do normal. Recomendamos um equilíbrio prévio, antes da cirurgia, o que nos leva a aconselhar àqueles(as) que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico prévio. Existem casos em que retira-se gordura de certas áreas e reinjeta-se esta gordura retirada sob condições assépticas em outras regiões que necessitam aumentar seu volume. Parte dessa gordura poderá se reabsorver. É impossível se prever o percentual de permanência dessa gordura; entretanto, são dedicados cuidados especiais no tratamento dessa gordura, a fim de propiciar maior possibilidade de sucesso.

P: A LIPOESCULTURA DEIXA CICATRIZ MUITO VISÍVEL? 

R: As cicatrizes resultantes de uma lipoescultura ou lipoaspiração são mínimas, localizadas em diversas partes do corpo, de modo a permitir acesso às áreas a serem operadas. Seu tamanho varia entre 5 a 8 milímetros e são planejadas para ficar pouco visíveis. De toda a maneira, vamos dar uma explicação sobre a evolução de uma cicatriz, seja ela decorrente de esta ou aquela cirurgia. Assim é que:
PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.
PERÍODO MEDIATO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo deverá ser feita após este período.

P: EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? 
R: Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Resta, ainda, acrescentar algumas observações sobre as áreas tratadas, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc.
Nas primeiras semanas ou mesmo meses, essas áreas, além de estar sujeitas a períodos de “inchaços”, poderão apresentar alguns pontos mais densos que outros. Esses geralmente só são perceptíveis à palpação e tendem a desaparecer após o 3o. mes. Com o decorrer dos meses, tendo-se realizado as devidas drenagens linfáticas e os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 6 a 9 meses do pós-operatório.

P: A LIPOASPIRAÇÃO CORRIGE AQUELE EXCESSO DE GORDURA SOBRE A REGIÃO DO ESTÔMAGO? 
R: Geralmente sim. Dependendo do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdome), poderemos ter um resultado bastante natural . Também tem grande importância, sob este aspecto, a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo.

P: QUAL O TIPO DE MAIÔ QUE PODEREI USAR, APÓS A CIRURGIA? 
R: Fica a seu critério. Se manequim lhe dirá.

P: PODEREI TER FILHOS FUTURAMENTE? O RESULTADO NÃO FICARÁ PREJUDICADO? 
R: O resultado poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por especialista. Se você voltar ao seu peso anterior e sua pele não apresentar flacidez e estrias decorrentes da gravidez, as formas obtidas serão mantidas. Devemos salientar, entretanto, que o corpo da mulher sofre variações da forma com o decorrer do tempo, devido à disposição da gordura nas diversas áreas corporais, principalmente no abdome, cadeiras e coxas. Assim é que a cada 5 ou 10 anos, a disposição da gordura no corpo muda de pessoa para pessoa. Mesmo assim, aquele excesso retirado nas áreas devidas, sempre lhe proporcionarão uma melhor evolução, mesmo que o sr.(a) venha a ganhar certo peso.

P: O PÓS-OPERATÓRIO DA LIPOASPIRAÇÃO É MUITO DOLOROSO? 

R: Variável, depende muito do limiar da dor de cada paciente.Uma lipoaspiração ou lipoescultura de evolução normal não deve apresentar dor exagerada, desde que obedecidas as orientações pós-operatórias. Os quadros dolorosos são resolvidos com a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios.

P: HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? 

R: Raramente a lipoaspiração traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior nem menor que qualquer outra cirurgia eletiva. Entretanto, é importante levar em conta, que grandes volumes retirados poderão determinar riscos, tanto no ato operatório quanto no pós-operatório. É consenso, na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que o volume total de gordura a ser retirado por sessão, não ultrapasse a 7% do peso corporal. Seu cirurgião deverá lhe esclarecer detalhadamente sobre o volume ideal para o seu caso.

P: QUE TIPO DE ANESTESIA É UTILIZADA PARA ESTA OPERAÇÃO? 
R: Anestesia geral, peri-dural ou local assistida. .

P: QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO? 
R: Dependendo da extensão das áreas a serem tratadas, o tempo varia de 1 a 3 horas, podendo ser ultrapassado em alguns casos. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
R: Dependendo da extensão da área aspsirada e do tipo de anestesia ( local com sedação, peridural , geral ) o período de internação poderá variar de algumas horas até 1 dia.

P: SÃO UTILIZADOS CURATIVOS? 
R: Sim. Curativos semi-compressivos com cintas especiais, mantidos por um período de 30 a 45 dias, em média.

P: QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS? 
R: Do 4o ao 7o dia.

P: QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO? 
R: Geralmente no dia seguinte à cirurgia.

P: QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRlA? 
R: V. Não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Assim é que, no item 02, foi esclarecido sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês). No item 03 sobre a sensibilidade, consistência, etc. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto”. Seja paciente pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma de suas amigas que não se furtará à observação: “//SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO?//”- É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião plástico, e somente a ele, que lhe dará os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório . Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado deverá ser considerado como definitivo antes dos 6 aos 9 meses.
Condutas complementares em Academias, com esteticistas ou mesmo fisioterapeutas, poderão melhorar bastante o resultado final, pois, a modelagem muscular é um fator de grande importância no novo contorno corporal.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A LIPOESCULTURA/LIPOASPIRAÇÃO 

RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS: 
Comunicar-se com seu cirurgião plástico até 2 dias antes da cirurgia, em caso de gripe, período menstrual, indisposição, etc.
Internar-se no hospital indicado na guia, obedecendo ao horário de internação.
Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas, na véspera da cirurgia.
Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 15 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também os diuréticos.
Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 4 a 5 dias.

RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS: 
Evitar esforços por 8 dias.
Levantar-se tantas vezes quanto lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentado(a), assim como evitar ao máximo esforços máximos.
Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 1 semana.
Obedecer à prescrição médica.
Voltar ao consultório para os curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de duvidar que foi operada recentemente. Cuidado! A euforia poderá levá-lo(a) a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos.
Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com o seu cirurgião plástico, e somente com ele, quaisquer dúvidas que possam advir.
Alimentação normal (salvo em casos especiais). Recomendamos alimentação hiperproteica ( carnes, ovos, leite ) assim como o uso de frutas.
Aguarde para fazer sua “dieta ou regime de emagrecimento”, após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

Abdominoplastia

A leitura destas observações sobre a cirurgia plástica abdominal servirá para esclarecê-o(a) sobre os detalhes que certamente estão lhe interessando no momento. Existem informações errôneas quanto a esta cirurgia, informações essas geradas por casos excepcionais de pacientes operadas por profissionais não habilitadas para tal ou outros que costumam associá-la a intervenções cirúrgicas maiores, na cavidade abdominal, aumentando o risco e o prognóstico pós-operatório.

Deixe que o seu cirurgião plástico escolhido lhe informe sobre a conveniência de associá-la a outra (s) cirurgia (s) e pondere bastante com ele sobre as vantagens e desvantagens de tal associação.

Normalmente, as seguintes perguntas são feitas pelos(as) pacientes ao seu cirurgião plástico, por ocasião da consulta inicial:

• P: QUANTOS QUILOS VOU EMAGRECER COM A DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL? 
• R: Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que o abdome mantenha com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas. Assim é que a maioria das mulheres apresentam certa “flacidez” do abdome após 1 ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Estes casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será compensatório e proporcional ao restante do corpo; entretanto, vale a pena lembrar que “excesso de gordura” em outras regiões vizinhas do abdome ainda existirão, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si.

• P: A CIRURGIA DO ABDOME DEIXA CICATRIZ MUITO VISÍVEL? 

• R: A cicatriz resultante de uma dermolipecitomia localiza-se horizontalmente logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdome a ser corrigido. Esta cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho, e infalivelmente passará por vários períodos de evolução, como se segue:
a- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.
b- PERÍODO MEDIATO. Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdome deverá ser feita após este período.

• P: EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? 

• R: Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Entretanto, resta ainda acrescentar algumas observações sobre o novo abdome, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc.
1- Nos primeiros meses, o abdome apresenta uma insensibilidade relativa, além de estar sujeito a períodos de “inchaço”, que regride espontaneamente.
2- Nesta fase, poderá ficar com aspecto de “esticado” ou “plano”. Com o decorrer dos meses, tendo-se iniciado os exercícios orientados para modelagem, vai-se gradativamente atingindo o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado, antes de 12 a 18 meses de pós-operatórios.

• P: É VERDADE QUE SERÁ FEITO UM NOVO UMBIGO? 
• R: Não. O seu próprio umbigo será transplantado e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que, circundando o umbigo existirá uma cicatriz que sofrerá a mesma evolução da cicatriz inferior (descrita no item no. 02). Várias técnicas existem para a reimplantação do umbigo. Todas elas são passíveis de futuras revisões cirúrgicas, caso venha a ser necessário. Isto acontece em decorrência da anomalia na evolução cicatricial de certas pacientes, e é passível de correção, mediante uma pequena cirurgia sob anestesia local, após alguns meses.

• P: A DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL CORRIGE AQUELE EXCESSO DE GORDURA SOBRE A REGIÃO DO ESTÔMAGO? 
• R: Nem sempre. Isto depende do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdome). Se ele for do tipo curto, dificilmente será corrigido. Sendo do tipo longo, o resultado será mais favorável. Também tem grande importância, sob este aspecto, a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste essa área do corpo.

• P: QUAL O TIPO DE MAIÔ QUE PODEREI USAR, APÓS A CIRURGIA? 
• R: O tipo de maiô dependerá exclusivamente de seu próprio manequim. É claro que os decotes inferiores mais “generosos” (tangas) ficarão por conta dos casos em que os resultados sejam mais naturais . Lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais, com cuidados de uma esteticista ou fisioterapeuta, desde que se associe estes tratamentos complementares logo nas primeiras semanas após a cirurgia.

• P: PODEREI TER FILHOS FUTURAMENTE? O RESULTADO NÃO FICARÁ PREJUDICADO? 
• R: O seu médico ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por aquele especialista. Aconselhamos entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma dermolipectomia abdominal.

• P: OUVI DIZER QUE O PÓS-OPERATÓRIO DA DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL É MUITO DOLOROSO. É VERDADE? 
• R: Não. Uma dermolipectomia de evolução normal não deve apresentar dor. O que existe é um grande equívoco por parte de certas pacientes, que são operadas simultaneamente de cirurgias ginecológicas associadas à dermolipectomia e relatam por isso, dores pós-operatórias. Nem todos os cirurgiões costumam recomendar esta associação de cirurgias, por constituírem certo risco operatório, além de apresentam inconvenientes como dores e resultados menos favoráveis.

• P: HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? 
• R: Raramente a cirurgia de dermolipectomia traz sérias complicações, desde que realizada dentro de critérios técnicos. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior nem menor que uma viagem de avião ou de automóvel, ou mesmo o simples atravessar de uma rua.

• P: QUE TIPO DE ANESTESIA É UTILIZADA PARA ESTA OPERAÇÃO? 
• R: Anestesia geral ou peridural.

• P: QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO? 
• R: Em média 120 a 180 minutos. Este período poderá ser prolongado, se o caso demandar. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

• P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
• R: De 1 a 2 dias (evolução normal).

• P: SÃO UTILIZADOS CURATIVOS? 
• R: Sim. Curativos especiais, trocados periodicamente pela equipe do cirurgião.

• P: QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS? 
• R: A retirada dos pontos poderá ser iniciada em torno do 8o. dia, devendo ser feita de maneira seletiva, nos dias que se seguem. Raramente a retirada total passa de 3 semanas.

• P: QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO? 
• R: Geralmente após 2 dias.

• P: QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRlA? 
• R: V. Não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. Assim é que, no item 02, foi-lhe informado sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês). No item 03, sobre a evolução da forma do abdome, bem como a sensibilidade, consistência, etc. Entretanto, poderá lhe ocorrer alguma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto”. Seja paciente pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma de alguma pessoa que não se furtará à observação: “//SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO?//”- É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários, para sua tranqüilidade. Em tempo: Em algumas pacientes, ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, aspecto cicatricial, etc.). Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia do abdome deverá ser considerado como definitivo antes dos 12 aos 18 meses. Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o 8o. dia, a “eliminação de razoável quantidade de líquido amarelado” por um ou mais pontos da cicatriz. Este fenômeno nada mais é do que o transudamento cirúrgico e a liquefação da gordura residual próxima à área da cicatriz que está sendo eliminada, sem que isso venha a se constituir como complicação. Existem recursos para evitar que esse vazamento venha a lhe ocorrer em situações inoportunas.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE DERMOLIPECTOMIA ABDOMINAL 

A) RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS: 
1) Comunicar-se com seu médico até 2 dias antes da cirurgia, em caso de gripe, período menstrual, indisposição, etc.
2) Internar-se no hospital indicado na guia, obedecendo ao horário de internação.
3) Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas, na véspera da cirurgia.
4) Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 15 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
5) Programar suas atividades sociais, domésticas ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 2 semanas.

B) RECOMENDAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS: 
1) Evitar esforços por 14 dias.
2) Levantar-se tantas vezes quanto lhe for recomendado por ocasião da alta hospitalar, obedecendo aos períodos de permanência sentada, assim como evitar ao máximo escadas longas.
3) Evitar molhar o curativo durante a primeira fase .
4) Não se exponha ao sol ou friagem, por um período mínimo de 2 semanas.
5) Andar curvada, com ligeira flexão do tronco, e manter passos curtos, por um período de 14 a 20 dias.
6) Obedecer à prescrição médica.
7) Voltar ao consultório para os curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
8) Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de duvidar que foi operada recentemente. Cuidado! A euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos.
9) Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião, e somente com ele, quaisquer dúvidas.
10) Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o 8o. dia, a eliminação de certa quantidade de líquido amarelado ou sanguinolento, por um ou mais pontos de cicatriz. Não se preocupe, porque se isto lhe ocorrer não significa complicação.
1) Salvo em casos especiais, alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas ( carnes, leite, ovoe ) e vitaminas (frutas)..
11) Aguarde para fazer sua “dieta ou regime de emagrecimento”, após a liberação médica. A antecipação desta conduta por conta própria, poderá determinar conseqüências difíceis a serem sanadas.

 

Mastoplastia Estética de Aumento (Protese de Mamas)

• A CIRURGIA DE AUMENTO DAS MAMAS DEIXA CICATRIZES? 
• Felizmente, esta cirurgia permite-nos colocas as cicatrizes bastante disfarçadas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes infalivelmente passarão:
a- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30ºdia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.
b- PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período há o espessamento natural da cicatriz, bem como inicia-se uma mudança de cor, da mesma, passando para mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após este período.

• P: ONDE SE LOCALIZAM AS CICATRIZES? 
• R: Alguns cirurgiões as situam no polo inferior da mama e no sulco formado entre a mama e o tórax. Outros, na área da aréola, e até mesmo na axila. Desde os primeiros dias pós-operatórios poderá ser usado um “decote bastante generoso”, pois, as cicatrizes ficam bastante disfarçadas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando menos visíveis.

• P: OUVI DIZER QUE ALGUMAS PACIENTES FICAM COM CICATRIZES MUITO VISÍVEIS. 

• R: Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao quelóide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando lhe são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito nos ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara não tendem a esta complicação cicatricial; pessoas de pele morena têm maior predisposição ao quelóide ou à cicatriz hipertrófica. Isto entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.

• P: EXISTE CORREÇÃO PARA AS CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E QUELÓIDES ? 

• R: Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o seu cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.

• P: COMO FICARÃO MINHAS NOVAS MAMAS, EM RELAÇÃO AO TAMANHO E CONSISTÊNCIA? 

R: As mamas terão seu volume aumentado através da cirurgia, melhorando sua consistência e forma com a intervenção cirúrgica. Assim é que, neste caso, pode-se escolher o novo volume, pois dispõe-se de vários tamanhos de próteses de silicone a serem introduzidas. Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética. A mama, assim operada, passará por vários períodos evolutivos:
a- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste Período, apesar das mamas se apresentarem com aspecto bastante melhorado, sua forma e volume ainda estão aquém do resultado planejado. Lembre-se desta observação: //NENHUMA MAMA SERÁ “PERFEITA” NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO//.
b- PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 3º mês – Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva. São características deste período um maior ou menor grau de “incbaço” das mamas; além disso, o aspecto cicatricial encontra-se em plena fase de transição (ver item 1º). Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período, costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois, isto será a característica do período tardio.
c- PERÍODO TARDIO: Vai do 3º até o 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade, etc.) É neste período que costumamos fotografar os casos operados, a fim de compará-los com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas, bem como o volume da prótese introduzida. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

• P: EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? 

• R: Apesar do resultado imediato ser muito bom, somente na fase mencionada como “período tardio” (vide item anterior) é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

•  P: NO CASO DE NOVA GRAVIDEZ, O RESULTADO PERMANECERÁ OU FICARÁ PREJUDICADO 

• R: O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema da nova gravidez interferir no resultado, já que a cirurgia é realizada habitualmente “fora do tecido mamário”.

• P: O PÓS-OPERATÓRIO DESTA CIRÚRGICA É DOLOROSO? 

• R: Geralmente NÃO. Este pós-operatório é bastante confortável, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços, nos primeiros dias. Eventualmente poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a auto-medicação.

• P: HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? 

• R: Raramente a cirurgia plástica de aumento mamário determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência ou não da utilização das próteses de silicone, assim como sobre suas eventuais complicações.

• P: QUAL O TIPO DA ANESTESIA UTILIZADA? 

• R: Anestesia geral; peri-dural ou local; dependendo do caso.

• P: QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO? 

• R: Em média de 90 minutos até 120 minutos se necessário for. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

• P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
R:De meio dia a 24 horas.

• P: SÃO UTILIZADOS CURATIVOS? 

• R: Sim. Curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. São trocados diariamente pela própria paciente, sem qualquer dificuldade, a partir do 3o. dia pós-operatório.

• P: QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS? 
• R: Geralmente são utilizados pontos que são retirados até o 15o. dia pós-operatório.

• P: QUANDO PODEREI TOMAR BANHO COMPLETO? 

• R: Dependendo do caso, até no dia seguinte à cirurgia. Tudo irá depender da evolução da sua cirurgia, assim como o tipo de curativos, observando-se apenas os cuidados especiais que serão ensinados pelo seu médico.

• P: QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRlA? 

• R: Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (vide itens 1 e 5). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto”, não faça disto motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação: // SERÁ QUE ISTO VAI DESAPARECER MESMO?// É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu médico, que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranqüilidade.

• P: QUANDO PODEREI RETORNAR AOS MEUS EXERCÍCIOS ? 

• R: Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 a 15 dias, evitqando-se o “alto impacto”. Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar além de 30 a 45 dias.

• P: QUE VEM A SER O ENDURECIMENTO DAS MAMAS ( RETRAÇÃO DA CÁPSULA) ? 

• R: É uma retração exagerada da cápsula fibrosa normal (que se forma em torno da prótese), que determina certo grau de endurecimento à região, quando palpada. Alguns casos estão sujeitos à tal retração; entretanto, se isto ocorrer , as próteses poderão e deverão ser retiradas, através das mesmas cicatrizes. Posteriormente, ambos, cirurgião e paciente, poderão ponderar sobre a conveniência ou não da reintrodução de outras próteses, um diferente plano de introdução ou outra conduta que melhor se adapte ao caso. A retração da cápsula não reflete imperícia do cirurgião, mas sim, um comportamento reacional atípico do organismo das pacientes,devido à presença das próteses de silicone.
Não cabe ao cirurgião qualquer responsabilidade em gastos futuros com reintervenções que porventura sejam necessárias, decorrentes de retrações capsulares, endurecimento das mamas ou rupturas tardias das próteses. Atualmente o número de retrações de cápsula diminuiu bastante, devido ao advento de inovações técnicas introduzidas na cirurgia plástica.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE AUMENTO DAS MAMAS 
A) RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS: 
1) Comunicar-se conosco até a véspera da operação, em caso de gripe, indisposição ou antecipação do período menstrual.
2) Internar-se no hospital ou clínica indicada na Guia de Internação, obedecendo ao horário estabelecido.
3) Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas na véspera da cirurgia.
4) Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, que eventualmente esteja utilizando, por um período de 15 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
5) Programe suas atividades sociais, domésticas, profissionais ou escolares, de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 4 dias.
B) RECOMENDAÇÕES PÓS- OPERATÓRIAS: 
1. Evitar esforços nos 8 primeiros dias.
2. Não movimentar os braços em excesso. Obedeça às instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores ou massagens.
3. Evite molhar o curativo, até que seja autorizada a fazê-lo.
4. Não se exponha ao sol ou friagem, até 2ª ordem.
5. Obedecer à prescrição médica.
6. Alimentação normal (salvo casos específicos que receberão a devida orientação), a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas ( carnes, leite, ovoe ) e vitaminas (frutas).
7. Voltar ao consultório para curativos subseqüentes, nos dias e horários estipulados.
8. Provavelmente você estará se sentindo tão bem, a ponto de esquecer-se que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia poderá levá-la a um esforço inoportuno, o que determinará certos transtornos.
9. Não se preocupe com as formas intermediárias das mamas nas diversas fases. Tire com seu cirurgião plástico, e somente com ele, as suas eventuais dúvidas.

AUTORIZAÇÃO PARA CIRURGIA DE INCLUSÃO DE PRÓTESE (S) DE SILICONE PARA MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO.
TIPO DE CIRURGIA: INCLUSÃO DE PRÓTESE (S) DE SILICONE PARA MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO.

O(a)  sr (a) abaixo assinado (a),
R.G. nº     ………………………………………………………….reconhece que o Dra. Juliana Rizzatti, esclareceu-lhe sobre os detalhes referentes à cirurgia de inclusão de prótese de silicone com fim estético de propiciar aumento das mamas (mastoplastia de aumento) ou preenchimento (pós-mastectomia). Estas cirurgias que vêm sendo realizadas mundialmente há cerca de 40 anos, o (a) signatário (a) se propõe submeter, à cirurgia de assim como admite terem sido feitas as seguintes considerações:
1.. Que a literatura médica mundial autorizada, que reflete a opinião técnico profissional dos médicos cirurgiões plásticos, imunologistas, reumatologistas, clínicos gerais e patologistas, não comprovou até o momento que a prótese de silicone possua propriedades cancerígenas ou estimuladora de doenças auto-imunes.
2.. Que um percentual de mamas, no pós-operatório, poderá apresentar, à observação ou à palpação, mais firmes que o normal (encapsulamento).
3.. Que existe a possibilidade de que o organismo venha a não tolerar a presença da (s) prótese (s); se isto ocorrer, a inclusão deverá ser removida, sem que o cirurgião venha a ser responsabilizado pelo fato.
4.. Que as complicações comuns a todo e qualquer tipo de cirurgia, possam eventualmente ocorrer, apesar de todos os cuidados dispensados pelo cirurgião.
5.. Que a signatária mantenha o cirurgião atualizado sobre seu domicílio, a fim de que este possa manter controles periódicos sobre o caso.
6.. Que o bom resultado, embora almejado, não pode ser garantido em sua totalidade, devido à capacidade reacional individual à prótese, ao ato cirúrgico propriamente dito, caso haja necessidade de cirurgia complementar, para melhorar o resultado obtido ou corrigir um eventual insucesso, está claro que os custos de materiais hospitalares e anestésicos são de minha responsabilidade, mesmo que o cirurgião e sua equipe optem por não estabelecer honorários.

Mastopexia - Suspensão da Mama

O Lifting, ou elevação da mama, mastopexia, é uma técnica que pretende a modificação da posição da mama, e pode ser realizada isoladamente ou associado com as outras técnicas. Um outro motivo para a utilização destas técnicas é a correção de assimetria entre as duas mamas. os problemas estéticos com as mamas podem seguir tendências genéticas, ou serem adquiridos pelo processo de envelhecimento ou seguindo gestações.
O Lifting pode ser associado aos outros dois procedimentos, mas objetiva principalmente a elevação da mama e a correção da posição do mamilo. A queda da mama é freqüente seguindo gestações e no processo de envelhecimento, e sua correção melhora a auto-estima dos pacientes.
O Lifting da mama leva de 2 a 4 horas. As técnicas variam, mas o procedimento mais comum envolve uma incisão em âncora seguindo o contorno natural dos seios.
A incisão delineia a área em que a pele do seio será removida e define a nova localização para o mamilo. Quando a pele em excesso foi removida, o mamilo e areola são movidos à uma posição mais alta. A pele que cercava a areola é então trazida para baixo e se reesculpe o seio. Os pontos normalmente são localizados ao redor do areola, numa linha vertical que se estende para baixo da área de mamilo, e ao longo do sulco inferior do seio.
Alguns pacientes, especialmente os que possuem seios relativamente pequenos e quedas mínimas, podem ser candidatos para procedimentos modificados que requerem incisões menos extensas. Através de incisões menores realizadas a partir da aréola
Um implante pode ser inserido ou não dependendo da técnica utilizada e da vontade do paciente e da indicação do cirurgião. 

Mastoplastia Redutora - cirurgia de redução mamária

É uma das mais comuns, dentre as cirurgias plásticas , pois, além de ser indicada para melhorar o a forma da mama, também é indicada como recurso complementar no tratamento profilático de certas doenças da mama (casos especiais) e como prevenção de problemas causados por mamas muito grandes.

Assim é que, as perguntas mais freqüentes sobre esta cirurgia são:
• P: A CIRURGIA DE REDUÇÃO MAMÁRIA DEIXA CICATRIZES? 
• R: Esta cirurgia permite-nos colocar as cicatrizes bastante escondidas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. As cicatrizes passarão, obrigatòriamente, por diversas fases até que se atinja a fase final de maturação. Assim é que temos:
a- PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo. 
b- PERÍODO MEDIATO:
 Vai do 30º dia até o l2º mês. Neste período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do “vermelho para o “marrom” que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.
c- PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao l8º mês. Neste período a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após este período.

• P: ONDE SE LOCALIZAM AS CICATRIZES?
• R: Dependendo da técnica empregada, poderemos ter variações quanto às cicatrizes. Normalmente existem cicatrizes situadas em forma de “T” invertido, na parte inferior da mama. Aquela situada em torno da aréola fica bastante disfarçada pela própria condição de transição de cor entre a aréola e a pele normal. Outros tipos de cicatrizes, como em “I “, “L /J “ ou periareolares, são viáveis. Desde os primeiros dias de pós-operatório poderá ser usado um “decote” bastante “generoso”, pois as cicatrizes ficam escondidas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando disfarçadas.

• P: OUVI DIZER QUE ALGUMAS PACIENTES FICAM COM CICATRIZES MUITO VISÍVEIS. POR QUE ISSO ACONTECE? 
• R: Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertófica ou ao quelóide. Esta tendência, deverá ser avaliada pelo seu médico, durante a consulta inicial, oportunidade em que lhe são feitas perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara não tendem a sofrer esta complicação cicatricial hipertrófica. Cicatrizes de cirurgias anteriores ou mesmo acidentais, ajudam no prognóstico.

• P: EXISTE CORREÇÃO PARA CICATRIZES HIPERTRÓFlCAS? 
• R: Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir entretanto, o “período mediato” da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico e nunca com outras pessoas que, como você, “também estão apreensivas quanto ao resultado final”.

• P: COMO FICARÃO MINHAS NOVAS MAMAS, EM RELAÇÃO AO TAMANHO E CONSISTÊNCIA?
• R: As mamas podem ter seu volume reduzido através da cirurgia; além disso sua consistência e forma também são melhoradas com a cirurgia. Assim é que, para os casos de redução de volume e levantamento de sua posição, podemos optar por vários volumes, dentro das possibilidades que a mama original nos permita planejar, sem compromete-la futuramente. Aqui, como no caso do aumento do volume, deverão ser equilibradas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax da paciente afim de obtermos maior harmonia estética. Nessa ocasião procura-se melhorar o aspecto quanto à flacidez e a forma da mama original. As “novas mamas” passam por vários períodos evolutivos, em relação à sua forma:
a) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, para que se atinja a forma definitiva ainda existem “pequenos defeitos” aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que desaparecem com o decorrer do tempo.Lembre-se desta observação: Seu resultado final somente ocorrerá após o período tardio.
b) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 8º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva o que ocorrerá após o 8º mês. Poderão ocorrer neste período um aumento ou diminuição da sensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de “inchaço ” das mamas; além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar da euforia da maioria das pacientes, já neste período costumamos dizer às mesmas que seu resultado ficará melhor ainda, pois isto será a característica do 3º período (tardio).
c) PERÍODO TARDIO: Vai do 8º ao 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade).É neste período que costumamos comparar fotogràficamente os casos operados com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância, no prognóstico do resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de caso para caso.

• P: EM QUANTO TEMPO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? 
• R: Apesar do resultado imediato e mediato satisfazerem bastante às pacientes, somente entre o 8º e 18º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva (vide item anterior).

• P: QUAL O TIPO DE TRAJE DE BANHO QUE PODEREI USAR APÓS A CIRURGIA?
• R: No período mediato e tardio qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes os maiôs poderão ser mais “generosos”, a seu critério. Nas grandes reduções mamárias, entretanto, a cicatriz horizontal é um pouco mais extensa o que determinará a escolha do maiô que melhor disfarce sua presença.

• P: NO CASO DE NOVA GRAVIDEZ, O RESULTADO PERMANECERÁ OU FICARÁ PREJUDICADO?
• R: O seu ginecologista lhe dirá da conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que aquele especialista controle seu aumento de peso na nova gestação. Geralmente não há problema, em caso de nova gravidez. Quando se tratar de mamas muito grandes, que foram reduzidas acentuadamente, a lactação poderá ficar prejudicada. Em casos de pequenas e médias reduções a lactação poderá ser preservada. Algumas pacientes poderão apresentar diminuição da sustentação da pele mamária.

• P: O PÓS-OPERATÓRIO DA CIRURGIA MAMÁRIA É DOLOROSO?
• R: Geralmente não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços nos primeiros dias.

• P: HÁ PERIGO NESTA OPERAÇÃO? 
• R: Raramente a cirurgia plástica mamária sofre complicações sérias. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência de associação desta cirurgia, simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que qualquer outra cirurgia eletiva.

• P: QUAL O TIPO DE ANESTESIA UTILIZADA?
• R: Anestesia local , geral, peri-dural ou associada, a critério do cirurgião.

• P: QUANTO TEMPO DURA O ATO CIRÚRGICO?
• R: Dependendo de cada tipo de mama, de duas e meia a 4 horas, podendo-se estender um pouco mais, em certos casos.. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

• P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
R: Um a dois dias.

• P: SÃO UTILIZADOS CURATIVOS?
• R: Sim. Curativos elásticos e modelantes, especialmente adaptados a cada tipo de mama. São trocados periodicamente.

• P: QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS?
• R: São retirados em torno do 10o. ao 20o. dia, sem maiores incômodos.

• P: QUANDO TOMAREI BANHO COMPLETO?
• R: Geralmente, após 2 dias. Alguns casos poderão determinar cuidados sobre a área operada, sendo que então, recomenda-se evitar o umedecimento sobre essa área por 8 dias.

• P: QUAL A EVOLUÇÃO PÓS-OPERATÓRIA?
• R: Você não deve esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (ver itens “1” e “5”). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto”, não faça disso motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos que, infalivelmente chamarão a atenção de alguma pessoa, que não se furtará a observação: “será que isso vai desaparecer mesmo?”. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranqüilidade.

• P: QUANDO PODEREI RETORNAR AOS MEUS EXERCÍCIOS?
• R: Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 a 15 dias, evitando-se o “alto impacto”. Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar além de 30 a 45 dias.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA REDUTORA DAS MAMAS

a) RECOMENDAÇÕES PRÉ-OPERATÓRIAS
1) Comunicar-se com seu cirurgião até a véspera da operação, em caso de gripe, indisposição ou antecipação do período menstrual.
2) Internar-se no hospital indicado, obedecendo ao horário previamente marcado.
3) Evitar bebidas alcoólicas ou refeições muito lautas na véspera da cirurgia.
4) Evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer de que eventualmente esteja fazendo uso, por um período de 15 dias antes do ato cirúrgico. Isto inclui também certos diuréticos.
5) Programe suas atividades sociais, domésticas ou escolares de modo a não se tornar indispensável a terceiros, por um período de aproximadamente 3 a 5 dias.

b) RECOMENDAÇÕES PÓS- OPERATÓRlAS:
1) Evite esforços nos 8 primeiros dias.
2) Não movimente os braços em excesso. Obedeça as instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores.
3) Evite molhar o curativo, até que seja autorizada a fazê-lo.
4) Não se exponha ao sol ou friagem, até segunda ordem.
5) Siga rigorosamente as prescrições médicas.
6) Alimentação normal (salvo casos específicos que receberão a devida orientação), a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas ( carnes, leite, ovos ) e vitaminas (frutas)..
7) Voltar ao consultório para curativos subseqüentes e controle pós-operatório nos dias e horários estipulados.
8) Provavelmente você estará se sentindo tão bem a ponto de esquecer-se que foi operada recentemente. Cuidado! Esta euforia pode levá-la a fazer esforços prematuros, o que determinará certos transtornos.
9) Não se preocupe com as formas intermediárias nas diversas fases. Tire com seu cirurgião suas eventuais dúvidas.

Otoplastia Estética (cirurgia de orelha - orelhas de abano)

Assim é que existe uma idade ideal para se fazer a cirurgia de correção do abano: 5 a 7 anos, período em que a orelha já está totalmente formada e quase igual ao tamanho daquela do adulto. Além do mais, por se tratar de um período pré-escolar, nessa fase começam os problemas de ordem psicológica. Normalmente as seguintes perguntas são feitas por ocasião da 1ª consulta:

P: A CIRURGIA DA ORELHA EM ABANO DEIXA CICATRIZES? 

R: A cicatriz desta cirurgia é praticamente invisível, por localizar-se atrás da orelha, no sulco formado por esta e o crâneo. Além do mais, como se trata de região de pele muito fina, a própria cicatriz tende a ficar “quase imperceptivel”, mesmo em algumas técnicas que utilizam pequenas incisões na face anterior .

P: QUAL O TIPO DE ANESTESIA? 
R: Crianças: anestesia geral. Adultos: anestesia local com ou sem sedação (a critério).

P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
R: Meio período a 1 dia, dependendo do tipo de anestesia e idade do(a) paciente.

P: QUANTO TEMPO DEMORA O ATO ClRÚRGICO?
R: Geralmente em torno de 90 a 120 minutos.Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

P: HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO?
R: Certo incômodo poderá ocorrer no pós-operatório. Quando houver esta intercorrência, poderemos combatê-la com analgésicos comuns.

P: COMO É O CURATIVO?
R: Faz -se a proteção da cicatriz com curativos pequenos. Protege-se a orelha (principalmente em crianças), nos primeiros dias, com uma espécie de touca, a fim de evitar traumatismos locais. Em alguns casos, recomenda-se o uso das faixas tipo “ballet”ou “tenis”.

P: QUANDO SÃO RETIRADOS OS PONTOS? HÁ DOR? 
R: Em torno do 15o. dia. Não existe dor na retirada.

P: EM QUANTO TEMPO SE ATINGIRÁ O RESULTADO DEFINITIVO? 

R: Assim que se retira o curativo já teremos em torno de 80 % do resultado almejado. Após 12 semanas, o resultado será definitivo.

P: NÃO HÁ O RISCO DE “VOLTAR O PROBLEMA DO ABANO” APÓS A CIRURGIA? 
R: Desde que devidamente conduzida a cirurgia, o resultado será definitivo. Convém salientar que uma leve assimetria poderá ocorrer, pois, mesmo as pessoas não operadas e que tenham orelhas normais, não apresentam simetria absoluta.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A CIRURGIA DE ORELHA EM ABANO

PRÉ- OPERATÓRIO: 
Comunicar-se com o seu médico até a véspera da cirurgia, em caso de gripe, infecções, etc.
Obedecer ao horário estabelecido para internação.
Manter-se em jejum por um período de 6 a 08 horas antes.
Lavar os cabelos na véspera.
Se o sr (a) tiver cabelos compridos, não deverão ser cortados e sim mantidos até um período após à cirurgia. Isto ajuda a disfarçar o curativo, nos primeiros dias.

PÓS- OPERATÓRIO:
Evitar sol, friagem, vento e traumatismos locais por um período de 10 dias.
Comparecer ao consultório para controle pós-operatório, nos dias indicados pela enfermeira.
Obedecer à prescrição médica.
Poderá retornar às atividades escolares, profissionais, etc 4 a 5 dias após a cirurgia.
Alimentação livre, a partir do segundo dia, principalmente à base de proteínas ( carnes, leite, ovos ) e vitaminas (frutas).

Palpebras

• P: EXISTE UMA IDADE IDEAL PARA SE OPERAR AS PÁLPEBRAS? 
• R: Não existe uma idade ideal, mas sim, a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença do defeito a ser corrigido e geralmente ocorre após a terceira década.

• P: AS CICATRIZES SÃO VISÍVEIS? ONDE SE LOCALIZAM? 

• R: Sendo a pele das pálpebras de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar praticamente disfarçadas nos sulcos da pele. Para tanto, deve ser aguardado o período de maturação da cicatriz (3 meses). Pela sua localização são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve, desde os primeiros dias.

• P: QUAL O TIPO DE ANESTESIA? 
• R: Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, a maioria dos casos é operada sob anestesia local (em alguns casos, com uma sedação prévia). Dependendo da vontade do paciente, poderão ser feitas sob anestesia geral. Reserva-se esta última conduta para os casos em que clinicamente está contra-indicada a anestesia local ou mesmo, quando a blefaroplastia esteja sendo feita simultaneamente a outras cirurgias.

• P: HÁ DOR NO PÓS-OPERATÓRIO? 
• R: Geralmente não. Mesmo que ocorra uma sensibilidade maior ou pequenos surtos de dor, estes poderão ser perfeitamente abolidos com o uso de analgésicos comuns. Seu médico lhe prescreverá aquele mais indicado.

• P: OS OLHOS FICAM MUITO INCHADOS? POR QUANTO TEMPO? 
• R: O edema (inchaço) dos olhos varia de paciente para paciente. Existem aqueles (as) que já no 4º ou 5º dia apresentam-se com um aspecto bastante natural. Outros existem que irão atingir este resultado após o 8º dia. Mesmo assim, os 3 primeiros dias do pós-operatório são aqueles em que existem maior “inchaço” das pálpebras. O uso de óculos escuros poderá ser útil nesta fase, assim como a utilização de compressas frias diminui a intensidade do edema. Somente após o 3º mês é que poderemos dizer que o edema residual é discreto.

• P: QUAL O PERÍODO DE INTERNAÇÃO? 
• R: Anestesia local: de 2 a 6 horas.
Anestesia geral: 24 horas.

• P: QUANTO TEMPO DURA A CIRURGIA? 

• R: Normalmente, em torno de 90 minutos. Dependendo do caso, existem detalhes que podem prolongar este tempo. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

• P: O QUE SÃO AS “MANCHAS ROXAS OU AVERMELHADA ” OBSERVADAS EM CERTOS CASOS? 

• R: Nada mais são do que a infiltração do sangue na pele subjacente, e mesmo na conjuntiva ocular; são devidas ao próprio trauma cirúrgico. Isto, entretanto, não constitui qualquer problema futuro e não é considerado como complicação, mas sim, uma intercorrência transitória e reversível.

• P: QUANDO ATINGIREI O RESULTADO DEFINITIVO? 

• R: Após o 3o. mês. Entretanto, logo após o 8º dia já teremos aproximadamente 25% do resultado almejado, sendo que nas 2 ou 3 semanas subseqüentes esse percentual tende a melhorar acentuadamente.

• P: OS OLHOS FICARÃO OCLUÍDOS APÓS A CIRURGIA? 

• R: Não obrigaròriamente. Podem ser recomendadas a colocação de compressas frias por alguns minutos, várias vezes ao dia, ato este controlado pelo(a) próprio(a) paciente, como profilaxia do edema acentuado. Alguns cirurgiões, entretanto, preferem a oclusão dos olhos no pós-operatório.

• P: AFINAL, O RESULTADO COMPENSA? 
• R: Se você está ciente do que deseja e o cirurgião puder lhe propiciar aquilo que o sr. (a) pediu, sem dúvida compensa. Entretanto, é importante levar em consideração o fato de que a cirurgia das pálpebras não proporciona rejuvenescimento geral à face, quando executada isoladamente. Muitas pacientes esperam este resultado (rejuvenescimento) apenas com a blefaroplastia. O cirurgião plástico apenas melhorará esse território prejudicado pelos defeitos estéticos aí pré-existentes. O rejuvenescimento da face implica em outras condutas associadas à blefaroplastia. Os “pés de galinha”, mesmo que devidamente operados, nunca desaparecerão, ficando ainda o estigma, devido à ação do músculo orbicular e à perda da elasticidade da pele remanescente.

RECOMENDAÇÕES SOBRE A BLEFAROPLASTIA 

A) PRÉ- OPERATÓRIO: 
1) Comparecer ao local da cirurgia (hospital, clínica) no horário previsto na sua guia de internação.
2) Comunicar qualquer anormalidade que possa lhe ocorrer, quanto ao seu estado geral até a véspera da internação.
3) Não fazer maquiagem no dia da internação
4) Trazer óculos escuros.
5) Na eventualidade de se internar no mesmo dia da operação, venha em jejum
6) Compareça acompanhado (a) para a internação.

B) PÓS-OPERATÓRIO: 
1) Compressas com água fria sobre os olhos poderão ser úteis para diminuir o tempo de edema e proporcionar certo conforto pós-operatório.
2) Alimentação livre, a partir do 2o. dia pós-operatório. Carnes, leite e ovos ( proteínas ) são recomendados, assim como vitaminas, em forma de frutas.
3) Usar óculos escuros quando se expuser à luz natural e ao vento.
4) Evitar sol, vento e friagem, por 8 dias.
5) Obedecer à prescrição médica.
6) Voltar ao consultório para curativo e revisão nos dias estipulados.
7) Não traumatizar nem “coçar” os olhos.
9) Dependendo de sua evolução pós-operatória, você poderá voltar às suas atividades normais, após 3 a 4 dias.

 

Cirurgia pós-emagrecimento

Indicação: 
Após grandes emagrecimentos, com a redução drástica do volume de gordura abdominal, ocorre um abaulamento flácido do abdômen, formado por um excesso de pele. Devido ao grande estiramento da pele durante o período de obesidade, a pele perde parte da sua elasticidade, e quando ocorre a perda de peso, ela não retrai o suficiente, originando o “abdômen em avental” caracterizado por um sobra de pele pendular abaixo do umbigo.
A abdominoplastia, ou dermolipectomia do abdomen remodela o abdômen ao retirar o excesso de tecido (pele e gordura) que se acumula principalmente abaixo do umbigo e também por ajustar a cinta muscular frouxa. Não é uma cirurgia para emagrecer e sim para o remodelamento do abdômen.
Do mesmo modo essa flacidez pode ocorrer também em mamas, braços, coxas e face.

Tipo de anestesia: 

A anestesia pode ser a peridural ou a geral.

Tempo de internação: 
Geralmente entre 24 e 48 horas, dependendo da recuperação e da orientação do médico.

Pós-operatório:
O paciente poderá ficar com o dreno abdominal por alguns dias, que será retirado conforme a orientação do seu médico.
Deve-se evitar esforços e manter-se em uma postura curvada por até 21 dias, para evitar tensão na cicatriz. Exercícios físicos devem ser evitados por no mínimo 1 mês. Deve-se usar uma cinta elástica por ao menos 1,5 mês, ou pelo período estipulado pelo médico.
Nas demais cirurgias as recomendações são as mesmas descritas nos seus respectivos títulos.

Complicações: 
Dentre as complicações possíveis, podem ser citados: hematoma, seroma, infecção, necrose (sofrimento da pele), deiscência (abertura da sutura), quelóide, trombose, embolia, problemas anéstesicos.
Por serem as complicações mais freqüentes em paciente fumantes, estes devem se abster do cigarro por um mês antes da cirurgia, para minimizar os riscos.

Resultado Definitivo: 
O resultado definitivo e atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz.

Ninfoplastia (Cirurgia da intimidade)

Indicação:
O problema é comum, mas poucas mulheres se sentem confortáveis em admitir que querem melhorar a estética da região da vagina. Quando os pequenos lábios são maiores do que deveriam ser, chegando até a ultrapassar os grandes lábios, acabam prejudicando não só a auto-estima da mulher, mas sua performance sexual. A hipertrofia (aumento de volume) incomoda a relação sexual, tira a liberdade e muitas vezes faz com que a mulher se sinta envergonhada ao ficar nua diante do namorado ou marido.
A cirurgia da intimidade (ninfoplastia) tem o objetivo de reduzir o excesso de mucosa dos pequenos lábios vaginais. Está indicada em pacientes com pequenos lábios aumentados que “pegam” e incomodam na roupa íntima.}
A cirugia é realizada com anestesia local ou peridural, sendo a ultima mais confortável, é realizado uma incisão na mucosa dos pequenos labios (face interna), sendo retirada a quantidade de tecido excedente; a cicatriz resultante fica discreta e escondida. No pós-operatório a paciente apresentará edema da região, o qual se resolve em média com 10 dias.
Após a cirurgia, a paciente não deve manter relação sexual por um período de um mês. Os exercícios físicos podem ser retomados após vinte dias.

Ginecomastia

É um termo de origem grega que significa “mamas femininas”, que se caracteriza pelo denvolvimento excessivo no tecido da região mamária masculina. Pode apresentar vários graus de acometimento, sendo observada em 40-60 % da população masculina. Pode ser uni ou bilateral. Pode ser causada por alteração hormonal ou acúmulo de gordura ou ambas. Outras causas, além das citadas, são decorrentes do consumo excessivo de álcool, câncer, doenças no fígado, uso de drogas ou certos tipos de medicamentos, como os corticóides.

O formato mamário feminino, produzido pela ginecomastia é uma causa importante de vergonha e inibição; e costuma constranger o indivíduo, causando trauma psicológico, principalmente nos jovens e adolescentes que evitam ir à praia ou à piscina, porque o ato de retirar a camiseta revela as mamas de aspecto feminino.

Essa imperfeição pode ser tratada com lipoaspiração e/ou ressecando-se o tecido glandular através de uma incisão em torno da aréola. O procedimento é realizado com anestesia geral ou anestesia local com sedação, e o paciente poderá retornar para casa no mesmo dia da cirurgia.

A cicatriz em torno da aréola é pouco visível. O uso de cintas toráxicas é obrigatório por um período de 1mês.

O resultado é permanente e produz um efeito de mamas aplanadas e firmes, além de um contorno toráxico masculino. O tempo de recuperação é rápido, com retorno ás atividades em torno de 1 semana. Exercícios físicos estão liberados após 1 mês.

Correção de cicatrizes

Indicação: 
A correção de cicatriz tem o objetivo de melhorar o aspecto estético das cicatrizes. Está indicada para pacientes com cicatrizes inestéticas (deprimidas, alargadas, elevadas, queloidianas, hipertróficas,etc.).
Um cicatriz considerada boa estéticamente tem coloração próxima à da pele normal e é fina (milímetros). Pessoas com cicatrizez inestéticas geralmente apresentam alteração de seu convívio social, ou seja mudam seus hábitos devido a presença da cicatriz.
O modo como uma cicatriz se desenvolve depende de como o seu corpo reagirá ao dano original e à técnica empregada pelo cirurgião.
Muitas variáveis podem afetar a maneira de cicatrizar do seu organismo, incluindo o tipo de trauma ou cirurgia, o tamanho e profundidade da ferida, a provisão de sangue para a área afetada, a espessura e cor de sua pele e a direção,posicionamento ou localização da cicatriz.
Embora nenhuma cicatriz possa ser removida completamente (SÃO PERMANENTES!), os cirurgiões plásticos podem melhorar o seu aspecto , tornando-as menos evidentes, através de procedimentos clínicos como a injeção de corticóides locais e procedimentos cirúrgicos conhecidos como revisões de cicatrizes.
É sempre bom lembrar que vários fatores (genética, idade, exposição solar, diabetes, etc.) interferem na cicatrização e na qualidade final da cicatriz . Desta forma existe cicatriz que é de dificil tratamento apesar de todos os recursos.
Muitas cicatrizes que parecem grandes e feias no início podem ficar menos notáveis com tempo. Algumas podem ser tratadas com esteróides para aliviar sintomas como prurido, dor ou aumento da espessura das mesmas.

Quelóides
Quelóides são cicatrizes grossas, enrugadas e elevadas que crescem, de forma contínua, além das bordas da ferida ou incisão. Elas são freqüentemente vermelhas ou mais escuras que a pele normal. Quelóides acontecem quando o corpo continua produzindo uma proteína dura e fibrosa conhecida como colágeno. São inerentes ao paciente, ou seja, seu aparecimento independe da técnica do cirurgião.
Os quelóides podem aparecer em qualquer lugar no corpo, mas eles são muito comuns na região do esterno ( região central do tórax ), nos lóbulos da orelha e nos ombros. Eles acontecem mais freqüentemente em pessoas de pele escura ( negros, mulatos, orientais, etc ) e são altamente recidivantes ( tendem a se refazer após sua remoção ). A tendência para desenvolver quelóides diminui com a idade.
Se o tratamento com esteróides não for adequado ou suficiente, pode ser realizado ressecção intralesional associada á betaterapia, que é um tipo de radioterapia para inibir ou diminuir a chance de ressurgimento do quelóide.

Cicatrizes Hipertróficas
Cicatrizes hipertróficas são freqüentemente confundidas com quelóides, pelo fato de serem muito parecidas em um primeiro momento. Porém, as cicatrizes hipertróficas permanecem dentro dos limites da incisão original ou ferida.
Elas melhoram freqüentemente de forma espontânea, com o passar do tempo ( este processo pode levar um ano ou mais ) ou com a ajuda de aplicações tópicas ou injeções de esteróide e o uso de placas de silicone e compressão local . Este é o tipo de cicatriz inestética mais comum em pós operatórios.
Pode ser tratada com injeções de corticóides, placas de silicone ou ressecção parcial destas cicatrizes.

Contratura Cicatricial
Queimaduras ou outros danos que resultam na perda de uma área grande de pele podem formar uma cicatriz que deforma a pele através de um processo chamado de contração ou contratura cicatricial. A contração resultante pode afetar os músculos adjacentes e tendões, podendo restringir o movimento normal da região afetada.
A correção de uma contratura envolve a ressecção desta cicatriz que será substituída por um enxerto de pele. Em alguns casos pode ser usado um procedimento conhecido como zetaplastia. Técnicas recentes, como expansão de tecido, estão tendo um papel crescentemente importante na cirurgia reparadora. Se a contratura cicatricial persistiu durante algum tempo, você poderá precisar de fisioterapia depois da cirurgia para se restabelecer a função completa do membro ou região afetada.

Zetaplastia
Zetaplastia é uma técnica cirúrgica usada mais freqüentemente para reposicionar uma cicatriz de forma que esta adquira uma posição mais paralela às linhas naturais e pregas da pele, tornando-as menos notáveis. Também pode aliviar a tensão causada por uma contratura cicatricial. Nem todas as cicatrizes são passíveis de serem submetidas à zetaplastia.
Neste procedimento, na cicatriz antiga serão feitas incisões novas em cada lado, criando pequenos retalhos de pontas triangulares na pele. Estas pontas são reorientadas em ângulos diferentes para cobrir a ferida, dando à cicatriz um aspecto de “Z” ou “zig-zag”. A ferida será fechada com pontos que serão removidos depois de alguns dias.
Embora a zetaplastia possa tornar algumas cicatrizes menos óbvias, não as fará desaparecer e uma porção da cicatriz original ainda permanecerá fora das linhas de relaxamento da pele.

Enxerto e Expansão de Pele 
Enxertos e expansão de pele aplicam-se a problemas cicatriciais mais sérios, devendo ser executado em ambiente hospitalar, sob anestesia geral. A área tratada pode levar várias semanas ou meses para cicatrizar e um artigo de vestuário ( malha elástica ) de apoio ou bandagem pode ser necessário por até um ano.
A enxertia de pele envolve a transferência de pele de uma parte saudável do corpo ( área doadora ) para cobrir a área da ferida. Embora a maioria dos enxertos de pele autógena ( da mesma pessoa ) evolua de forma satisfatória, às vezes o enxerto pode não se integrar à área receptora, perdendo-se a cirurgia. Além disso, todos os enxertos deixam cicatrizes nas áreas doadora e receptora.
Na expansão de pele, uma “bexiga” de silicone ( expansor de pele ) será colocada abaixo da pele boa vizinha à área de cicatriz. Este expansor será preenchido gradualmente com soro fisiológico, aumentando gradativamente de volume e, conseqüentemente, aumentando a área de pele boa que será utilizada para recobrir a área cicatricial vizinha.

Dermoabrasão ou Peeling Mecânico

A dermoabrasão tem a finalidade de dimimuir ou tornar menos visíveis rugas ou cicatrizes de acne. Está indicada em pacientes com rugas periorais e cicatrizes de acne ( “espinhas” ).

Muitas pacientes na adolescência apresentam problemas com “espinhas” na face, depois permanecem as manchas e cicatrizes decorrentes da cura da acne. Nestes casos a dermoabrasão pode resolver o problema. Outra ótima indicação é nas pacientes com rugas finas periorais, usualmente chamadas “código de barras”. É possível atenuar e em alguns casos até remoção total dessas rugas.

Este procedimento é realizado sob anestesia local ou geral dependendo da extensão ou área a ser tratada, tem duração em média de 2hs, e após término a paciente fica com curativo na local, com o qual o paciente vai para casa. Este curativo “cai” sozinho após um período médio de 10 dias. A pele fica avermelhada por algumas semanas, semelhante a uma escoriação, após esse período surge uma nova pele com características mais joviais. A paciente após a dermoabrasão, deverá evitar exposição ao sol por um período de 4 a 6 meses.

A dermoabrasão só é indicada para pacientes de pele branca. Pacientes de pele morena podem evoluir com manchas após este procedimento, sendo por isso contraindicado.